Publicado por: sandrasofiati | abril 4, 2011

entrevista sobre corpo sonoro

Entrevista sobre CORPO SONORO : para “Dois Comunicação” em 2009; atualizada em 2011.

Quando e como foi seu primeiro contato com a Medicina do Som?

Desde muito pequena ouço música. Ela sempre teve um caráter terapêutico, pois na minha infância era nela que me refugiava quando me via em qualquer tipo de  problema. Estudei piano de 9 a 18 anos, fiz parte de um grupo de música quando estudei Psicologia na USP, cantei no coral da universidade, fiz um pouco de percussão na Escola Municipal de Música, hoje toco harpa pitagórica e canto. Quando montei meus primeiros grupos de exercícios em terapia corporal, a música era apoio para os trabalhos acontecerem. Foi usada como agente de desbloqueio energético e emocional. Realmente aí entendi o poder real da música e como ela pode mover a energia e mudar a disposição humana. Comecei a desenvolver uma terapêutica do som, a que chamei Corpo Sonoro. Integra Reich, Bioenergética Música.

Como, onde e quando foram desenvolvidas as técnicas corporais sonoras?

Foi quando montei meus primeiros Grupos de Movimento, trabalho não verbal, somente exercícios, com o objetivo de complementar o trabalho psicoterapêutico individual. Foi por volta de 1980. Usava música como apoio de exercícios bioenergéticos e obtinha resultados fantásticos. A partir daí fui criando outros, desenvolvendo uma metodologia que integrava vários conhecimentos da área da Psicoterapia Corporal e da área da Música. Além de piano, estudei canto e percussão também.

Depois conheci um mestre alemão da Escola do Desvendar da Voz, que é uma metodologia de voz alemã desenvolvida por uma cantora lírica sueca, junto com Rudolf Steiner, o criador da Antroposofia. Fui também aluna de Madalena Bernardes que vem desta escola. Com Meeta Ravindra aprendi canto indiano e mantras com sons sagrados. São usados como medicina na India. Aliás, em toda medicina dos povos antigos.

Teve também o uso do som dentro do xamanismo, que aprendi quando fui morar no México.  Aos poucos fui integrando todos esses conhecimentos  e  mais tudo que fui aprendendo da área da Psicoterapia Corporal, e surgiu o que hoje chamo de Corpo Sonoro.

Em seu site está escrito que os povos antigos usavam a música em rituais de cura? Quais povos eram esses?

Todos os povos antigos usavam a música com essa finalidade: os mongóis, os nativos norte-americanos, os que habitaram o México antigo, os aborígenes da Austrália, os africanos, os hindús, todos, sem exceção. A música está presente na humanidade desde os seus primórdios e sempre foi usada para curar e religar o homem à dimensão sagrada.

Que tipos de cura o som pode promover? Como elas acontecem?

Quando cantamos, ou fazemos exercícios sonoros, invariavelmente temos que respirar. Só aí já temos um grande ganho. Nossas principais doenças têm relação com a perda de nossa capacidade respiratória, causada por certas contrações musculares: a couraça muscular. O som, por sua natureza vibratória, coloca em movimento aquilo que parou de pulsar, movimentando a energia/consciência que lá está bloqueada. Isso quer dizer que o som, usado dentro de certos princípios, pode promover curas no nível físico, mental, emocional e/ou espiritual.

Que tipo de sons você usa nas suas sessões terapêuticas?

São sons que promovem vibrações nos corpos: os rrrrs, os brssss, e também alguns fonemas e vogais. Segundo a Escola do Desvendar da Voz, os ms e ls estão relacionados com o elemento água e portanto  fazem circular os  líquidos no corpo e ajudam pessoas muito rígidas a amolecerem, soltarem defesas desnecessárias,  relaxarem. Todas as mães de todas as culturas do mundo fazem seus filhos dormirem ao som do m e n. Embalamos nossos filhos aos sons do nana nenê , por exemplo.

Os sons do ssss relacionam-se com o elemento terra e servem para dar tônus, conter, densificar e ajudam  portanto nos quadros de depressão. As repreensões, nos cinemas, por exemplo, quando pessoas falam durante o filme , ou com nossas crianças quando faze algo errado, são sempre ao som dos sssss.

Os fs e os vs têm ligação com o elemento fogo e os rrrs com o ar. E muitos outros sons são usados com essa finalidade de promover mudanças nos estados emocionais. Importante ressaltar que a intenção colocada na hora de fazer os exercícios, move a energia também.

Como são as sessões de terapia da voz?

Quando as sessões são individuais, fazemos uma leitura corporal para detectar onde estão os bloqueios que impedem que a voz flua livremente. Trabalhamos especificamente com exercícios corporais e sonoros para aquela pessoa, com aqueles bloqueios, com sua estória. O canto faz parte da sessão. Se o trabalho é grupal, faço uma leitura de como está o grupo naquele dia e o trabalho acontece com exercícios corporais/sonoros, individualmente, mas também em duplas e  trios. Existe interação e intercâmbio entre as pessoas do grupo. O trabalho é apoiado sempre em músicas, que ouvimos ou criamos na hora. Às vezes dou mais importância ao ritmo e fazemos roda de tambores e cânticos.

Como a vibração das músicas pode afetar nosso inconsciente?

A música – por ser vibração –  atua desmanchando no corpo, áreas tensas, rígidas , imobilizadas,  onde a energia fica estanque e o inconsciente também. É a couraça muscular, nossas defesas no nível do corpo. Energia estanque igual a não desejo, a não afetos, a estancamento da consciência e repetições de padrões negativos. É nossa vida sendo determinada pela repressão e nós nem nos damos conta disso. O som põe em movimento o que parou de pulsar. Nesses processos sonoros, às vezes sentimentos reprimidos afloram, assim como seus significados. Além disso, no nível físico, dependendo do caminho de circulação do som no corpo, se por exemplo,  ele é deslocado para a parte da nuca, suas vibrações e respectivas frequências,  passam para o líquor da coluna, e daí para todo o organismo: suas propriedades vivificadoras e curativas se espalham para todo o sistema.

Qual é a ligação entre os sons, os anéis de tensão descritos por Reich e os chacras?

Na medicina hindu existem sons sagrados, os mantras, associados a cada um dos chakrras , que   coincidem com os anéis reichianos. Cada um deles está ligado a uma função específica , que se manifesta nos 100% de sua potência , se desbloqueado. Para dar apenas um exemplo: o chacra básico, o que fica na raiz da pelvis, coincide com o anel pélvico que inclui bacia , pernas e pés. Se desbloqueado, a pessoa terá vigor físico, possibilidade de concretizar seus desejos, boa conexão com a realidade, formas adultas de estar no mundo, etc. É o que em Bioenergética chamamos de grounding (enraizamento). O mantra LAM, atua neste centro de energia e neste anel ajudando a restabelecer seu equilíbrio. Há outros sons, por exemplo a vogal u, que também favorece o fluxo descendente da energia.

Em suas aulas do curso “O Corpo Sonoro” é feita uma integração de todo o corpo. Qual é a importância dessa integração e como ela é feita?

A unidade corporal tem relação com o quanto a pessoa, a nível psíquico, está integrada. É muito comum a cisão mente corpo: a pessoa tem boa atividade intelectual, mas não sente, não conecta seus sentimentos. Normalmente existe uma relação entre esse jeito de ser, e o bloqueio do anel cervical: contração muscular na base da nuca e em todos os músculos do pescoço, incluindo a língua. É como se a energia deixasse de fluir livremente nessa parte do corpo. Com isso, a atividade mental e a emocional, como decorrência, não se integram. A pessoa pensa uma  coisa mas sente outra, por ex. Então é importante que todos esses bloqueios sejam trabalhados separadamente e que no final do trabalho a pessoa possa ter uma melhor percepção de todas as partes do corpo ligadas com todas as outras partes, e estas  ligadas ao todo do corpo. Existem exercícios específicos para isso, como os de grounding ( enraizamento)  da Bioenergética. Gosto muito deles e os utilizo muito quando trabalho.

Como se dá a limpeza energética através do som?

Os povos indígenas sabem fazer isso muito bem e o que faço tem relação com o que venho aprendendo no México com eles. É muito comum a utilização do tambor chamânico e as maracas. Esses instrumentos são passados ao longo do corpo, a um palmo de distância dele, e por sua potência e nível de vibrações por segundo, produzem frequências  sonoras muito altas. Promovem também no corpo vibrações que vão mover partes bloqueadas, tensas, onde a energia está paralisada e os sentimentos negativos também. Claro que é importante que a pessoa tenha espaço para depois significar todas essas experiências. Mas é importante a expressão, o trabalho com a energia bloqueada. Com isso a “limpeza” do sistema acontece; aquele tipo de toxidade é eliminada .

Existe uma lei física que diz que níveis vibracionais elevados, com frequências de onda oscilando rapidamente, dissolvem, transformam, “limpam” níveis vibracionais mais lentos e  densos. Por isso a  música cura; por isso  “quem canta seus males espanta”.

E teu curso de capacitação CORPO SONORO?

Além de grupos semanais de exercícios, que funcionam durante todo o ano, existe o curso de capacitação Corpo Sonoro. A teoria que embasa todo meu trabalho é Reich e o curso visa transmitir recursos técnicos para profissionais da área da saúde e da cultura, que estejam interessados em introduzir recursos corporais e sonoros em seu trabalho. Está aberto também às pessoas que estejam interessadas nesses recursos para seu processo de autodesenvolvimento. O objetivo primeiro é desbloquear a couraça muscular, que são nossas defesas no nível corporal. Essas defesas, em algum momento de nossa vida, foram necessárias enquanto estratégias de sobrevivência, mas passado o perigo real, elas continuam nos defendendo, só que agora, contra perigos irreais. Isso mina nossa energia, nos aprisiona e faz nossa vida ficar morna, cinza e sem graça. O trabalho reichiano objetiva desmanchar a couraça, libertar no ser humano as potencialidades de amar, de ter prazer, de ser produtivo com criatividade. A couraça muscular é composta de 7 segmentos: ocular, oral, cervical, toráxico, diafragmático, abdominal e pélvico,  que mais ou menos coincidem com os 7 sete chacras da medicina hindú.

Este curso atualmente está composto de 4 módulos e cada módulo tem 14 horas de duração. Normalmente acontece em um sábado e domingo, mas pode ser realizado também por 7 semanas consecutivas, com encontros de duas horas de duração. Nele transmito princípios da terapia corporal e sonora.

No módulo introdutório são duas horas de trabalho sobre cada anel, onde vou ensinando a integrar música, movimentos, voz, e som,  com a finalidade de conscientizar e desbloquear os 7 anéis de tensão. Nos 3 seguintes módulos, cada um também com 14 horas de duração, os exercícios de desbloqueio e os conteúdos emocionais correspondentes são específicos:

Módulo 2: PELVIS – TEMPLO DO PODER

Módulo 3: TÓRAX – TEMPLO DO AMOR

Módulo 4: CABEçA – TEMPLO DA SABEDORIA

PS: Se você se interessar Para maiores informações  ligue para (11) 38152639


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: